Laurie Anderson

por Magno Silveira em 14/03/2012

Às vésperas de começar algumas práticas de gravura usando ferramentas e suporte tradicionais, no atelier do amigo George Gütlich (ok, zg, vc venceu!), recebo um livro aguardado há semanas: Night Life. Laurie Anderson é sua autora e ela me fascina desde os anos 1980 quando nos empolgou com O Superman – música crítica-minimalista-sintética-mântrica …
Em 2005, Laurie Anderson fez uma série de shows solo que chamou de The End of the Moon. Grande contadora de histórias, diz que naquela temporada começou a ter sonhos muito vívidos e instigantes. “I began to draw my dreams literally out of self-defense”.
Armada de um computador e tablet colocados ao lado de sua cama, nos hotéis, ela acordava no meio da noite e registrava os sonhos de maneira imediata, sem procurar interpretar ou pensar nos seus significados. Os desenhos e pinturas resultantes desse processo estão em Night Life, acompanhados de pequenos textos prosa-poéticos relativos ao sonho.
Laurie Anderson, artista da vanguarda multimídia no tempo em que ainda nem sabíamos muito bem a abrangência desta palavra (hoje fora de moda), continua a me inspirar. Fico pensando sobre a importância de se dominar a técnica tradicional da gravura (ou demais técnicas) para chegarmos a uma expressão artística, face à urgência existencial de registrarmos as imagens que habitam nossos sonhos. Interessam-me os gadgets, as tablets, os Macs porque eles me permitem a urgência. Os suportes e ferramentas tradicionais – tintas, grafite, goivas, metais e suas alquimias, ocupam o espaço atemporal das virtuoses. Formam uma espécie de bússola que nos ajuda na viagem, que exige disciplina e paciência para ser construída. Precisamos dos dois – me diz Laurie Anderson com sua música, seu desenho.

01.02.2005 – “The Hudson River is calm today ruffled by only a few whitecaps. I turn my head for a second. When I look back everything’s chaos.”


17.04.2005 – “In a deserted hotel lobby a fox is pleading with a corpse. The fox is sobbing, ‘I loved you! I always loved you!’ I’m thinking, ‘You know, there’s something really fake about that fox’. My brother stands in the doorway taking photographs.”

08.06.2005 – “I’m trying to cut pearls into small pieces but they keep skidding out from under the knife. When I cut them with scissors they pop and scatter. Some of them are obviously fake. Some seem like they might be quite valuable.”

Leave your comment

Required.

Required. Not published.

If you have one.